quinta-feira, 9 de fevereiro de 2012

De Singela à Besta
A melancolia resolveu comigo viver,
Começa as questões, ser ou não ser?
Brincadeiras em se afundar,
Quão fundo neste poço ei de chegar?

O sorrir é algo automático,
Talvez uma defesa,
De alguém que mal vê uma luz acesa,
O complexo do reflexo é problemático.

A injustiça de monstro me faz,
Quantas lágrimas ao meu ser traz,
Condenada a ser errada,
Que minha loucura seja logo anunciada!

O julgamento é cruelmente impulsivo,
Isso requer que ser perfeita é decisivo?
Pois bem, aniquilem meu mundo e minha imaginação,
Deem a mim uma dose artificial e retirem meu coração.





Weee, hora de postar poemas em massa. Tenho muitos guardados no PC ^-^


Crianças Ignorantes 

Estou em um ninho de serpentes, 
Resistindo e persistindo sobre esses venenos, 
Existindo cada vez menos, 
Colidindo com vários conscientes. 


O sutil calor em você presente, 
Repousando em seu corpo desacordado, 
Te ver assim é tão deprimente, 
Quero ver de novo seu sorridente rosto corado. 


Risos e palavras de vozes macabras ecoam, 
Ferem e cortam com ironia, 
Que mal eles soam, 
São apenas crianças sem sentimentos ou simpatia.